Aviso: Somos um site cristão, em conformidade com os padrões reformados, não concordamos obrigatoriamente com as opiniões emitidas nos livros postados, todavia, sabemos que um cristianismo saudável somente pode ser exercido

através do conhecimento. Desta forma, sigamos o conselho do apóstolo: "Julgai todas as coisas, retende o que é bom".

Louvado seja Deus!


bons que, procurando ser extremamente gentis com homens maus, causam grande dano a toda a igreja".
Home Filosofia KANT – BREVE RESUMO FILOSÓFICO

KANT – BREVE RESUMO FILOSÓFICO

Por: Helio Clemente

Kant (XVIII d.C.):

 

Immanuel Kant, filósofo prussiano (Alemanha), o maior dos filósofos contemporâneos leva a filosofia a uma orientação idealista, tornando-a subjetiva e imanente. Sobre esta base deficiente, o gênio brilhante de Kant construiu uma filosofia abrangente que influenciou boa parte dos filósofos posteriores, inclusive muitos dos filósofos cristãos que tentaram explicar a revelação de Deus através destes princípios idealistas.

Dos princípios filosóficos de Kant, onde ele admite a possibilidade do homem guiar-se unicamente pela sua própria razão, surgiram os movimentos do iluminismo e do positivismo lógico.

Kant sustenta que “a capacidade limita a obrigação”, ou seja: o homem deve ter capacidade plena para fazer o que a Escritura prescreve, caso contrário não poderá receber o castigo devido pelos seus atos, negando desta forma a justiça de Deus e abrindo o caminho para mito do livre-arbítrio neutral, onde o homem deve deter a capacidade para decidir pela sua própria salvação.

 

O iluminismo é uma união do empirismo e racionalismo, com base no idealismo humanista Kantiano. A princípio o iluminismo era um movimento especulativo e filosófico, mas posteriormente, levado pelos seus aderentes, poderosos e influentes, a um movimento político e religioso de âmbito universal que cresce e ganha força nos círculos mundiais até os dias atuais, envolvendo, principalmente a elite globalista, a alta cúpula maçônica e o papado católico em um movimento de criação do governo mundial único e da religião ecumênica, abrangendo todas as religiões do mundo em um sincretismo religioso, doutrinariamente amorfo, mas poderoso para fornecer suporte espiritual ao futuro governo mundial.

A filosofia de Kant identifica o mundo com as sensações que temos dele, a mente com os pensamentos e Deus com as atividades que lhe são próprias da forma como as percebemos. Destas forma, nega-se a natureza divina independente de suas atividades, o Cristo preexistente e a Trindade divina.

Como reação a este movimento idealista surgiu o positivismo lógico, que, tendo a rigor, a mesma base imanentista do idealismo, logo declinou face à sedução e poder da filosofia iluminista.

A filosofia de Kant leva à especulação e investigação infindável sem jamais apresentar uma conclusão ou solução definitiva, é o relativismo levado ao limite crítico, representando a nulidade do processo investigativo filosófico e inevitavelmente ao nihilismo prático – a dialética em seu estágio primário.

Kant admite a ideia de que todos os homens têm algumas ideias a priori, por exemplo: O tempo e o espaço, que não são apreendidas pelos sentidos, mas que fazem parte inata da mente e da consciência do homem.

Ele afirma que o homem tem a capacidade para empreender o desenvolvimento científico, mas não tem a capacidade para compreender a fenomenologia espiritual envolvendo o conhecimento das coisas de Deus, da alma e da vida futura.

Kant e a Escritura: Kant afirma que a Escritura somente deve ser aceita onde pode ser explicada pela razão, ele nega a historicidade e autoridade da revelação, transferindo toda a autoridade à razão e à capacidade de compreensão humana, negando totalmente a possibilidade da realidade de fatos supranaturais que não possam ser explicados pelas leis da natureza.

Agostinho afirmou que a vontade de Deus é a razão de todas as coisas, Kant, ao contrário, afirmou que a razão é o padrão de julgamento de todas as coisas, tornando o homem a medida final de todas estas coisas, sendo ele mesmo, o homem, o determinador da verdade.

Kant faz uma distinção rígida entre o mundo fenomênico, que é o mundo natural, compreensível pela razão pura e o mundo numenal, que é o mundo metafísico, a eternidade, como incompreensível pela razão humana, tornando Deus um ser completamente fora do mundo real: O “completamente outro” do irracionalismo cristão.

Todavia, sem um padrão absoluto no qual apoiar a razão, o homem mergulhou em um subjetivismo que iria se manifestar em seguida na filosofia dialética de Hegel, com profundas consequências no desenvolvimento do irracionalismo religioso que perdura até os dias atuais na igreja cristã.

Cosmovisão: Kant havia definido o primeiro uso da palavra cosmovisão, ou o que era conhecido como o mais próximo disto, como a capacidade humana de perceber a realidade sensível, este seria um conhecimento inato a partir do qual todas as pessoas definem o restante de todas as coisas apreendidas. James Sire, na sua obra “Naming the Elephants” (Dando Nome aos Elefantes) foi quem definiu a cosmovisão da forma mais inteligível conhecida até os dias atuais:

James Sire (1933): “Uma cosmovisão é um compromisso, uma orientação fundamental do coração, que pode ser expresso como um conjunto de pressuposições (suposições que podem ser verdadeiras, parcialmente verdadeiras ou inteiramente falsas) que nós sustentamos (consciente ou subconscientemente, consistente ou inconsistentemente) sobre a constituição básica da realidade, e que fornece o fundamento sobre o qual nós vivemos, nos movemos e existimos”.

Comentarios (5)Add Comment
0
adorei
escrito por leticia, fevereiro 06, 2013
eu adorei esse resumo, pois ele é bem especifico e muito claro. fácil de se entender
Hélio Clemente
Resposta para Letícia
escrito por Hélio Clemente, fevereiro 08, 2013
Cara Letícia, obrigado pelo comentário, estaremos publicando vários resumos filosóficos breves nas próximas semanas, fique ligada.
0
mUITO BOM
escrito por Thais Sá, março 05, 2013
CONTEUDO EXCELENTE INTENDI PERFEITAMENTE
0
Kant-Breve Resumo Filosófico
escrito por arcolinofsneto, maio 19, 2013
A tentação dos filósofos enquanto especulação sempre o levaria nessa fascinação humana no especular da realidade ou verdades de que o mesmo em vez de buscar a verdade em Deus ou nos deuses ele mesmo seria a verdade imanente subjetiva inconclusiva por prespectiva infinita de possibilidades,com fundo ideológico.
0
amantes da filosofia
escrito por monaliza ramos almeida, setembro 17, 2013
a filosofia da vida nos inspira a viver a filofia de deus que estao sempre ligas nao chegamos a algum lugar sem aprender a arte do amor que nos leva os lugares mas atraente nos desmvolvendo mentalmente e produzindo capacidades de execultalas.smilies/kiss.gifsmilies/kiss.gifsmilies/kiss.gif

Escreva seu Comentario

busy
  • Temos para download 439 Livros
  • Este site tem um total de 1172 itens publicados em Artigos

Adicionar aos Favoritos

Adicione aos Favoritos!

Estatísticas

vivendopelapalavra.com
Na internet desde Outubro/2011
Total de visitas até Março 2014:
308.268
Total de páginas visitadas até Março/2014:
1.055.205
Web Analytics